Adega de Monção faturou 18 milhões e atingiu recorde de vendas em 2023

A Adega Cooperativa Regional de Monção registou, em 2023, uma faturação próxima dos 18 milhões de euros e atingiu um recorde de vendas, sobretudo para o mercado internacional, que cresceu 22% face ao ano anterior, foi hoje divulgado.
Vinho

Em comunicado enviado à agência Lusa, a adega de Monção, concelho que juntamente com Melgaço forma uma sub-região demarcada dos Vinhos Verdes, onde a casta de vinho Alvarinho é melhor representada, adiantou que os Estados Unidos da América e a Inglaterra lideram o crescimento nas vendas.

Já no país, a adega de Monção, no distrito de Viana do Castelo, registou “uma ligeira queda, mas que foi colmatada pela positiva expansão internacional”.

“O contexto internacional que vivemos causa-nos muita apreensão e exige-nos uma gestão ainda mais regrada e ponderada, mas continuamos convictos na força da marca e na qualidade dos vinhos que produzimos. Os números mostram-nos isso mesmo. É com orgulho e responsabilidade redobradas que encaramos estes resultados”, afirma o presidente da Adega, Armando Fontainhas, citado na nota.

No “total, no último ano, a adega de Monção registou um volume de faturação de 17.788.585,88 euros, com os vinhos da região a crescerem, particularmente, nos Estados Unidos da América (57%), Inglaterra (38%), França (86%), Austrália (98%) e Países Baixos (3%). Simultaneamente, entraram, também, nos mercados de Israel, Áustria e Islândia”.

Os “resultados alcançados permitiram distribuir mais de dois milhões de euros aos seus cooperantes, que se refletiram em 0,25 euros por quilograma de uva entregue”.

A adega de Monção foi fundada a 11 de outubro de 1958, por iniciativa de 25 viticultores, entre estes cinco irmãos do atual presidente, de 55 anos.

A sub-região demarcada dos Vinhos Verdes tem no mercado 253 marcas de verde, produzidas por 2.085 viticultores e 67 engarrafadores.

Segundo dados da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), a sub-região de Monção e Melgaço tem uma área total de 45 mil hectares, 1.730 dos quais cultivados com vinha, sendo que a casta Alvarinho ocupa cerca de 1.340 hectares.

Desde 2015, a produção de Alvarinho foi alargada a outras zonas do país, fora dos dois concelhos do Alto Minho, em resultado de acordo alcançado pelo Grupo de Trabalho do Alvarinho (GTA), constituído pelo anterior Governo PSD/CDS e liderado pela CVRVV, defensora do alargamento da produção daquele vinho aos 47 municípios que a integram.

Deixar uma resposta

O seu endereço de correio electrónico não será publicado. Os campos obrigatórios estão assinalados com *


Quem Somos

Comunidade Lusa é um site de notícias onde pode encontrar as mais recentes informações sobre a nossa comunidade portuguesa no mundo e acima de tudo na Suíça. Aqui encontra também novidades sobre eventos culturais e temas como: desporto, mulher, opinião e publireportagens muito interessantes sobre empresas na Suíça.


info@comunidadelusa.ch

+41 76 358 30 15


WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com