São Jorge. Registado maior sismo desde o início da crise sismovulcânica

Abalo foi sentido na noite desta terça-feira.

3
0

Foi registado, esta terça-feira à noite, o abalo mais forte desde que teve início a crise sismovulcânia na ilha de São Jorge, nos Açores, com uma magnitude de 4,0 na escala de Richter, segundo os dados do Instituto Português do Mar da Atmosfera (IPMA).

O sismo foi sentido pelas 21h56 locais.

Já o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) calculou uma magnitude de 3.8 e indica que o sismo teve epicentro no mar, junto à vila das Velas.

Fonte do Serviço Regional de Bombeiros e Proteção Civil dos Açores adiantou à Lusa que “não há registo de danos”.

Desde que se iniciou a crise sismovulcânica, um sismo mais energético tinha ocorrido às 18h41 (19h41 de Lisboa) de 19 de março, com uma magnitude de 3,3 na escala de Richter.

De acordo com informação atualizada pelo CIVISA, o sismo foi sentido com a intensidade máxima, na escala de Mercalli modificada, de V em várias localidades da ilha de São Jorge, de IV nas ilhas do Pico e Faial e de III na ilha Terceira.

A ilha de São Jorge contabilizou mais de 20 mil sismos, 215 dos quais sentidos pela população, desde o início da crise sísmica em 19 de março, segundo os dados oficiais.

O número de sismos registados é mais do dobro do total contabilizado em toda a Região Autónoma dos Açores durante o ano de 2021.

A ilha está com o nível de alerta vulcânico V4 (ameaça de erupção) de um total de sete, em que V0 significa “estado de repouso” e V6 “erupção em curso”.

De acordo com a escala de Richter, os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequenos (2,0-2,9), pequenos (3,0-3,9), ligeiros (4,0-4,9), moderados (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grandes (7,0-7,9), importantes (8,0-8,9), excecionais (9,0-9,9) e extremos (quando superior a 10).