Poeiras. Satélites Copernicus detetam degradação da qualidade do ar

O sistema de vigilância por satélite Copernicus detetou hoje "qualidade do ar degradada" em grandes áreas de Portugal, Espanha e França devido à passagem de uma grande nuvem de poeira do deserto do Saara vinda do norte de África.

8
0

A concentração de partículas à superfície deverá atingir 250 microgramas por metro cúbico e até valores mais altos, acima do limite de 50 microgramas por metro cúbico por 24 horas definido como máximo recomendável pela União Europeia.

De acordo com as previsões do serviço de monitorização atmosférica Copernicus, a concentração de poeira deverá estar no pico até quinta-feira.

A Agência Portuguesa do Ambiente previu para hoje um agravamento da “fraca qualidade do ar” provocada pela passagem da poeira.

“Este é um fenómeno que ocorre quando a massa de ar contendo elevadas concentrações de poeiras é transportada a grandes distâncias de regiões áridas e semiáridas”, indica a APA, frisando que “este poluente tem efeitos na saúde humana, principalmente na população mais sensível, crianças e idosos, cujos cuidados de saúde devem ser redobrados durante a ocorrência destas situações”.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomendou na terça-feira à população que evite esforços prolongados e limite atividade física ao ar livre, devido às nuvens de poeiras que estão a atravessar o continente.

Devido à fraca qualidade do ar decorrente da massa de ar proveniente dos desertos do norte de África, que transporta grande quantidade de poeiras em suspensão, a DGS pede à população, numa recomendação publicada na sua página na internet, para evitar exposição a fatores de risco, como fumo de tabaco ou contacto com produtos irritantes.