Marcelo pede “serenidade, cabeça fria e bom senso” ao falar da Omicron

O Presidente da República pediu hoje "serenidade, cabeça fria e bom senso", ao pronunciar-se sobre a possibilidade de a mais recente variante do SARS-CoV-2 chegar a Portugal, e lembrou as medidas que vigorarão a partir de quarta-feira.

1
0

“Como disse o primeiro-ministro, não há até agora casos [da variante denominada ‘Omicron] e, por um lado, vão entrar em vigor as medidas, portanto, serenidade, cabeça fria e bom senso é aquilo que se impõe”, respondeu Marcelo Rebelo de Sousa, quando questionado sobre se estava preocupado com a evolução da pandemia por causa da nova estirpe.

Rejeitando a ideia de que está a ser otimista em relação ao impacto que esta variante poderá ter, o chefe de Estado considerou que é preciso estar sempre “de pé atrás”, já que a maioria das variantes anteriormente detetadas “não teve a gravidade que se esperava no início”.

“Vamos esperar para ver”, apelou.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que ainda não há registo de pessoas infetadas com a variante “Omicron”, detetada na África do Sul e que já está a espalhar-se por vários países em todo o mundo. Países Baixos, Alemanha, Bélgica e Austrália são alguns exemplos.

A propagação desta nova variante levou a que vários países europeus anunciassem o encerramento das fronteiras aéreas a passageiros provenientes de países da África Austral, como, por exemplo, Moçambique.

Angola, apesar de geograficamente estar incluída nesta porção do continente africano, não integra a lista de países com restrições às viagens. Marcelo justificou a decisão com a política sanitária rigorosa que o país implementou desde o início da pandemia — o Governo angolano anunciou no sábado que também vai suspender os voos com vários países por causa desta estirpe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*

code