Paris Saint-Germain tem tudo o que precisa para ser uma das grandes equipas europeias, mas nada parece estar a correr como planeado por Nasser Al-Khelaïfi, CEO do clube. A manchete do jornal francês ‘L’Équipe’ desta terça-feira revela algumas das tensões que têm comprometido o rendimento dos jogadores, com histórias de bastidores que envolvem algumas das principais joias da companhia, como Neymar Jr, Lionel Messi, Kylian Mbappé e até… Wanda Nara.

Tudo começa logo pela baliza. Habituado a ser dono e senhor da baliza do Paris Saint-Germain, Keylor Navas viu o clube parisiense contratar Gianluigi Donnarumma, que acabara de conquistar o título de campeão europeu pela seleção italiana, e tudo começou a descambar. O ex-guardião do Milan não foi um pedido exclusivo de Mauricio Pochettino mas sim uma oportunidade de negócio que o PSG não quis perder, contratando a custo zero a principal figura do então Euro’2020 que aos 22 anos já contava com mais de 250 jogos pelos rossoneri (251 para sermos mais precisos).

Os dois guarda-redes decidiram, já no decorrer da temporada, não entrar em brigas e mostrarem, com trabalho e dedicação nos treinos, que ambos queriam um lugar na titularidade. Pochettino apostou na rotação, com Navas e Donnarumma a serem chamados ao onze a cada dois ou três jogos. E foi nesse preciso momento que os problemas começaram a intensificar-se. A última acha para a fogueira foi atirada por Mino Raiola, empresário de jogadores e representante do internacional italiano, que em entrevista à RAI questionou os métodos do técnico argentino: “Não sei se esta situação já se tornou um problema, mas todos sabemos como vai terminar esta história. Tudo se decidirá a favor de Gianluigi”, atirou.

Enquanto uns brigam pela titularidade na baliza, outros procuram a felicidade longe de Paris. Falamos, portanto, de Kylian Mbappé. De acordo com a mesma fonte, o avançado francês foi obrigado a continuar no clube esta temporada, depois de ter recebido ofertas do Real Madrid. Ontem [segunda-feira], deu uma festa particular com alguns companheiros de equipa, como Verrati, Draxler, Hakimi e Sergio Ramos, e uma pergunta rapidamente ganhou destaque nos comentários das fotos que iam surgindo, a conta-gotas, nas redes sociais: “Onde estão Neymar e Messi?”. Ainda assim, o grupo brincou com a situação do craque francês e ofereceu-lhe uma camisola do PSG com o seu nome no dorsal e o número… 2050.

Depois de Mbappé, introduzimos a polémica em torno de Neymar Jr (e não, não vamos falar das constantes lesões do craque brasileiro). O ‘L’Equipe’ conta hoje um episódio em que o internacional brasileiro e camisola 10 do PSG não se apresentou a uma reunião com alguns dos principais patrocinadores do clube parisiense, atitude que deixou os membros da direção de… cabelos em pé. Estudou-se, alegadamente, uma possível sanção ao jogador mas em nada resultou com receio de que houvesse fugas de informação. Oficialmente, o motivo que levou Neymar a não comparecer ao evento de agenda foi… porque não sabia se tinha ou não de fazer um teste à Covid-19.

Não há duas sem três. Lionel Messi, a outra joia do ataque da equipa francesa, é também um dos protagonista de toda esta ‘novela mexicana’. Após conquistar a sua sétima Bola de Ouro da carreira, o internacional argentino, contratado pelo clube no verão deste ano após terminar contrato com o Barcelona, reservou uma discoteca reservada em Paris para celebrar mais um troféu. No evento estiveram presentes alguns dos seus novos companheiros de equipa, como, por exemplo, Leandro Paredes, que não se apresentou ao treino do dia seguinte (tal como Lionel Messi), por “sintomas gastrointestinais”. Isto acabou por irritar alguns dos outros jogadores que marcaram presença na festa e também no treino, que reclamaram uma atitude mais dura do clube perante estes dois casos.

Por fim, Wanda Nara e Mauro Icardi. O avançado argentino pediu junto do clube, nos últimos dias do mês de outubro, três dias livres para fazer as pazes com a sua representante no futebol e também esposa depois de esta ter colocado um ponto final na relação por alegada infidelidade do jogador. Apesar de alguns membros do balneário mostrarem-se contra, o clube acabou por atender aos pedidos do atleta. E a verdade é que Icardi conseguiu mesmo colocar um pouco de paz em casa, reatando uma relação que até assinatura de divórcio já tinha.

Por Record.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*

code