Bragança: hotel Torralta pode ser “ressuscitado”

O grupo Hotéis Premium revelou interesse em revitalizar a mais emblemática unidade hoteleira de Bragança, o antigo Hotel Torralta, que se encontra abandonado depois de uma tentativa de investimento chinês que ficou a meio da obra.

O interesse do grupo com várias unidades hoteleiras no Porto, Maia, Chaves e Setúbal, é manifestado pelor direto comercial, Hélder Silva, em entrevista ao jornal Nordeste de Bragança, onde aponta a perspetiva da criação de 30 postos de trabalho.

O responsável avança com um investimento de seis milhões de euros e a conclusão da obra para 2017 com SPA incluído, 76 quartos, piscina interior e exterior, quatro salas de reuniões e um terraço com uma zona de lazer e bar, no topo do edifício, e classificação de quatro estrelas.

O projeto poderá devolver também o cinema a Bragança no edifício que durante vários anos ofereceu a única sala comercial à cidade e que encerrou ainda antes do hotel que passou por várias peripécias desde a sua construção há 40 anos.

Localizado no centro da cidade, ficou conhecido como “Hotel Torralta”, por ter sido construído pelo grupo com o mesmo nome, mudou de proprietários e passou a “Hotel Bragança” e nos últimos anos de funcionamento a “Hotel São José do Nordeste”.

O nome que marca a história deste empreendimento é o do arquiteto Viana de Lima que o projetou no final da década de 1960, junto com outros edifícios da cidade, como o do Hospital de Bragança.

A unidade hoteleira foi única na cidade transmontana durante vários anos até que dificuldades financeiras levaram ao encerramento, depois de sucessivas mudanças de gestão.

Em 2011, um casal chinês deu início a obras de reabilitação com o anúncio de um investimento de seis milhões de euros num projeto que incluía hotel, buffet, restaurante e piscina panorâmicos, SPA, discoteca, bar, sala de conferências e até um casino.

As obras pararam a meio e, desde então, o emblemático edifício permanece com janelas e portas entaipadas e sinais de degradação e abandono.

O diretor comercial do grupo agora interessado nesta unidade revelou estar convicto de “Bragança tem mercado” para este projeto, assumindo que “as pessoas estão um pouco cansadas das grandes cidades e cada vez são mais procuradas as escapadinhas para zonas do interior do país”.

Fonte: Bomdia




Deixar uma resposta